sexta-feira, 16 de maio de 2014

Taylor York abre as portas de seu estúdio particular em entrevista ao Music Radar



Em nova entrevista, Taylor York conversou com Chris Barnes do Music Radar em seu estúdio, onde falaram sobre como é ser um músico atualmente, mudanças na indústria musical, equipamentos, aperfeiçoamento de habilidades, aprendizado, novas composições, e descobertas de um guitarrista profissional conforme o desenvolvimento de sua carreira. Isso e mais, você lê abaixo: 
GUITARRAS E AMPLIFICADORES EM EXPOSIÇÃO:

O grupo de pop/rock Paramore, do Tennessee, teve seu sucesso merecido nos últimos dez anos, mas foi o lançamento em 2013 de seu musicalmente maduro álbum auto-intitulado que os impulsionou. No centro deste disco se encontra o guitarrista Taylor York. Além de ter composto a maior parte dele, Taylor também é creditado por seu envolvimento com a produção, bateria, teclado, programação, percussão e até mesmo vocais de apoio. 

Assim como as demandas vão exigindo, os músicos têm de fazer mais que o classificado como “bom”, portanto perguntamos a Taylor o que é necessário para ser um guitarrista profissional em 2014. Além disso, fomos apresentados a seu estúdio dignamente luxuoso com os mais variados comandos – ele realmente tem bom gosto! 

Você tem um grande leque de habilidades – violão, guitarra, bateria, compõe e produz. Como você adicionou estes conhecimentos ao seu arsenal? Eles acabaram colidindo por osmose após passar seu tempo com outros músicos ou você mesmo procurou estes caminhos?

“Eu suponho que os busquei. Comecei como baterista, no entanto, assim que formamos o Paramore, lá no início, já havia um baterista melhor, então aprendi guitarra para que ainda pudesse fazer parte da banda. Compor acabou surgindo para mim porque nosso principal compositor, que compunha ao lado de Hayley, deixou a banda, então fiz o melhor que pude para preencher a lacuna. Quanto à produção, é muito divertida e interessante para mim. Então tudo acabou meio que acontecendo com o passar do tempo.”

Você tocou bateria em “Monster”. Como foi fazer isso, e você estava confiante em suas habilidades antes de gravar? 

“Tocar bateria é uma das coisas que mais gosto de fazer, então eu estava animado com o desafio, mas eu não tinha muita experiência e me senti um pouco despreparado. Aquele EP foi, definitivamente, uma declaração do que precisávamos fazer – que poderíamos fazer aquilo por nós mesmos – então não importasse o quê, eu estava determinado a tocar bateria para aquelas músicas. Foi muito trabalhoso e demorou mais do que eu esperava, mas finalmente conseguimos. E agora que já provamos isso, é legal deixar que um verdadeiro baterista faça aquela parte enquanto eu estou apenas sendo o guitarrista.” 

Você é um dos compositores chave no Paramore, e o último álbum é o mais maduro da banda. Quando foi que você começou a escrever linhas de guitarra, e quias foram as coisas mais importantes que você aprendeu e desenvolveu?

“Eu sempre tive sorte o bastante de ter feito parte da composição de cada um dos álbuns do Paramore, no entanto, esse foi o primeiro no qual eu compus mais. Tive de aprender a deixar meu coração e mente abertos para que eu estivesse disponível quando a inspiração viesse. Não é algo sobre tentar escrever um grande single ou escrever o que você pensa que será um grande sucesso. É sobre deixar fluir. Boas músicas acabarão por mostrar seu rosto a você todos os dias. Você tem de aceitar as falhas e músicas mais medíocres, também. Essa é uma parte essencial no processo, apesar de ser frustrante de engolir, as vezes. 

Quando não estou me sentindo particularmente inspirado na guitarra eu gosto de compor melodias no piano, e depois aprendê-las na guitarra. Foi assim que surgiram os riffs de Still Into You e Ain’t It Fun. A guitarra deu a estas duas melodias uma vibe e atitude diferente que eu amei, embora eu saiba que nunca as teria escrito com uma boa e velha amiga de seis cordas.”
Você ainda continua aperfeiçoando suas habilidades na guitarra ou você prefere investir mais energia no desenvolvimento de composições?
“Parecem coisas que andam de mãos dadas, para mim. Eu cresci como músico aprendendo melodias que ouvia em minha cabeça. Acho que as escalas e técnica é algo bom, mas a maneira mais produtiva de aprender é se exercitar como escritor. As vezes os músicos passam muito tempo aprendendo coisas realmente impressionantes em uma guitarra, mas essas coisas não necessariamente conectam as pessoas ou se enquadram no contexto de uma canção. Sempre fui fã de escrever melodias de guitarras que você pode cantar.”
O quão importante é tocar com outros músicos para desenvolver suas habilidades como guitarrista e como músico em geral?
“Acho que é incrivelmente importante. Há coisas como o “sentir” e a sutileza, que são quase impossíveis de se compreender por si mesmo. Estando no mesmo local que outros músicos pode elevar sua tanto sua técnica quanto sua paixão. Quanto melhores os músicos com quem você está, mais você terá de se elevar e esforçar.”
O Paramore é dono de um enorme sucesso agora, mas você têm trabalhado duro para isso. Qual é a coisa mais importante sobre a indústria música que você aprendeu até agora?
“Aprendi que a grande arte nasce. Políticas e obstáculos sempre estarão presentes e há muitas coisas que você não pode controlar, então é bom que você se certifique de estar trabalhando duro e fazendo uma grande arte, da qual você é cheio por dentro.”
Finalmente, não podemos deixar que você se vá sem falar de equipamentos. Quais você utiliza atualmente?
“As guitarras que uso ao vivo são: uma BilTVolare, duas BilT Zaftigs, duas BilT Relevator LS’s, uma Epiphone Sheraton 89 (com captadores Arcane Ultratron), e uma Martin 000-18 Golden Era. Já os amplificadores são um Marshall JCM 2000 DSL (sujo) e um Divided By 13 RSA 23 (limpo). Pedais… São muitas variedades: EarthQuaker Devices, Rawkworks, Strymon, Electro Harmonix, Caroline Guitar Company, Z. Vex e Boss.”
E o material de estúdio?
“Minhas guitarras de estúdio incluem uma Gibson Midtown Custom (com captadores Bareknuckle Mississipi Queen P90), uma Fender Starcaster 75, Custom Fender Jazzmasters com humbuckers, uma Jazzmasters normal, uma Rickenbacker 360, uma Gretsch Tennessee Rose, Epiphone Casino, Les Paul Special, Les Paul Jr. 58, Neptune Singlecut Baritone, e uma Jaguar Baritone. Amplificadores incluem um Amps Tupelo 65, Traynor YBA-1A MKII, Silverface Fender Deluxe Reverb, Roland JC 120, Marshall JCM 2000, Divided By 13 RSA 23, Watkins Dominator e uma Vox AC30.”

Fonte: Paramore Brasil 

Nenhum comentário:

Postar um comentário